segunda-feira, 16 de maio de 2011

Medo do parto: Normal ou Cesariana?

A questão do medo é que está enraizado na cultura brasileira que a mulher não é capaz, que a gravidez é uma doença e deve ser acompanhada por um médico. Não é atoa que o Brasil agora é o país com o maior número de cesarianas no mundo, isso não é o ideal, nem o natural.
Um parto normal, natural, tem tudo para dar certo. Um parto domiciliar para uma gravidez de baixo risco é maravilhoso.
O que devemos prestar atenção, ao incentivar o parto normal, não é apenas referir-se as dores postumas ao parto cesariano, mas também ao fato de ser de maior risco para a mãe e para o bebê, sendo 2,7 vezes mais risco de morte materna que um parto normal, além disso a mulher deixará de protagonizar um momento tão emocionante, tão gratificante e forte, de ligação com o próprio ventre e com o bebê que virá ao mundo.
A sensação de que conseguiu, de que conseguiram, de uma experiência única e inexplicável, pois de fato é.
O parto é um evento que DEVE ser demorado, a mulher e o bebê estão sendo avisados que passarão por um novo ciclo, o processo de nascimento. Hormonios são liberados na corrente sanguinea da mãe e do bebê, estimulando o estresse, avisando ao filho que ele nascerá.
A dor é parte do processo, e ela avisa o corpo de que tudo está indo bem, normalmente.
O ideal também é que a mulher busque informações: Por que eu quero uma cesariana? Que imagem eu tenho de parto normal? Como eu posso mudar isso? E por que eu quererei mudar essa minha opinião/visão?
Uma cesariana hoje em dia com certeza não tem o mesmo pós operatorio que antes, muitas mal sentem dor, os riscos são menores (apenas 2,7 vezes mais que um PN), fazê-la é prático hoje em dia, mas por que devo fazê-la se ela é uma cirurgia para salvar vidas e não para rotina?
Sem contar que não devemos nos limitar à opinião do médico.
A maioria não quer "perder" tempo acompanhando uma mulher que queira um parto normal, que pode levar dias, para que no fim das contas ganhe R$600,00.
Concordo, é pouco, mas ele não faz todo o trabalho, aliás, não faz trabalho algum e ainda ganha por isso. Um médico deveria acompanhar um parto e casa ocorra um imprevisto intervir.
Ele não precisa querer fazer um parto, ficar de hora em hora indo fazer o exame de toque (que não precisa se feito, a não ser que a gestante peça ou que o tempo de TP* seja mais que 12 horas, por exemplo).
Hoje fiquei chocada. Assisti A História de um Bebê. Programa que passa no Discovery Home e Healt. Fiquei muito triste pela parturiente, já que ela foi completamente enganada e iludida.
Ela chegou ao hospital em TP, pouco mais que um centímetro de dilatação e foi internada. Deram-lhe ocitocina, mandaram-na ficar deitada o TP inteiro (enquanto durou). Ela não queria peridural, mas com 4 cm já não estava aguentando, e lhe deram.
Esse foi o fim. Já li que o TP pode estagnar após analgesias, o coração do bebê pode diminuir de batimentos e o TP evolui para uma cesariana, que antes era descabida.
Após a analgesia ela começou a tremer, o corpo inteiro e incontrolavelmente. O batimento cardíaco do feto diminuiu, mas não drásticamente. A equipe médica pediu para que ela se movimentasse (ah, sério?), assim o bebê poderia ficar numa posição adequada e a oxigenação chegaria melhor até ele. Foi o que ela fez e tudo deu certo.
Até que o médico dela chegou. 7 cm, e ele disse: Não vou mentir para você, está muito demorado, acho que deveremos fazer uma cesariana, mas vamos ver.
Vamos ver, acho que é essa a palavra que todos os enganadores dizem. Uma hora depois (ela continua deitada) e ele faz o exame de toque e diz: 7, de novo. Olha, você está bem, o bebê está bem, mas esse é o sinal de que seu corpo não quer trabalhar, vamos fazer uma cesariana.
Todos, absolutamente todos da família choraram desesperadamente.
Me desculpe, mas doutor, você errou, e feio.
O que quero dizer com essa história é que se tivermos o poder da informação, do conhecimento nas nossas mãos nada nos impedirá de ter um parto idealizado, quisto, normal.
Mas não me inspirei nesta história para fazer esse post de última hora e sem nem saber que viraria uma postagem no meu blog. Estava fazendo um comentário Nesta Matéria e virou esse tremendo comentário, que quis colocar aqui.
OBS: TP = trabalho de parto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário