segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

De quem é a culpa?

Uma mulher morre no Brasil, vítima de violência obstétrica, vítima de toda uma sociedade.
Ela teve de escutar que não queria fazer força, que era frouxa, teve o marido forçado a fazer força sobre sua barriga... Teve um parto e uma vida destruídos.
Lembro-me de quando fui parir e fui submetida às mesmas humilhações. Não as verbais, mas humilhações que me doem até hoje.

Definitivamente, parir é uma ação exclusiva da mulher. Ninguém FAZ um parto, a mulher tem toda a capacidade de parir
É ultrajante ter um parto hospitalar, normal, com a sociedade obstétrica de hoje. São poucos os médicos que entendem que devem agir se necessário e não bancar o bom e falar que "fez o parto"
Os dotô esquecem que são meros coadjuvantes em relação ao nascimento, e a sociedade tem que parar de ficarem espantados quando uma mulher fala isso.
E agora, de quem é a culpa? Deve ser sua, que coloca toda a sua confiança, toda a sua vida e toda a sua ignorância nas mãos dos dotô, sem questionar nada, sem estudar nada e sem acreditar que é capaz. É sua que critica a mulher que quer, a mulher que pode e que sabe que pode. É sua quando chama de louca aquela mulher que decide empoderar-se. É sua quando realmente crê em tudo, cegamente.
Se você não questiona, se não toma uma atitude, você é o culpado. Culpado porque endeusou aquele que, assim como nós, é um eterno aprendiz, suceptível ao erro e que ao invés de apoiar a capacidade biológica feminina, apóia sua conta bancária. Porque tempo é dinheiro!
De quem é a culpa? De quem...