terça-feira, 6 de agosto de 2013

'Mãe Solteira', universitária de Goiânia cuida sozinha de bebê de 3 anos

“Tem três anos que não sei o que é uma noite inteira de sono”, brincou a mãe de primeira viagem, Elisa Pimentel Barbosa, de 23 anos, moradora de Goiânia (GO). Mas apesar da nova rotina, a última coisa que a nova mamãe pensa é reclamar. “Todo o esforço é recompensado quando vejo que consigo tranquilizar minha filha, quando me descubro como mãe”, disse.
O pai não
tinha condições de ficar com ela, por questões particulares, e então eu teria que ficar com a guarda dela"
Elisa Pimentel, a mãe
Aos três anos, a pequena Julia Valentina passará o primeiro Dia dos Pais ao lado de Elisa. O momento é de grande expectativa para a mamãe de primeira viagem. “É estranho ser mãe e pai ao mesmo tempo da minha pequena, mas sei que de forma natural conseguiremos passar por isso”, contou.
Depois de um relacionamento curto, Elisa descobriu que seria mãe no final de 2009. “O pai não tinha condições de ficar com a Julia por questões particulares, e então eu teria que ficar com a guarda e a total responsabilidade sobre ela”, contou.
Apoio familiar
Apesar das dificuldades e do medo, Elisa diz que nunca pensou em não assumir a filha. “Não foi fácil, em muitos momentos pensei que poderia interromper a gravidez, mas mesmo sem nenhuma apoio psicológico eu prossegui. Tive minha filha sozinha, o medo foi imenso e os julgamentos da sociedade foram enormes, não foi fácil.” explicou a jovem.
Elisa teve que largar a faculdade de seus sonhos, Serviço Social na UnB, a jovem está se preparando para o Trabalho de Conclusão de Curso de Gestão de Recursos Humanos no momento, pois voltou a estudar. Para conseguir conciliar todas as tarefas, Elisa recebe apoio incondicional da creche e do pai. “Não foi fácil, para eu conseguir voltar a estudar, tive que voltar a trabalhar primeiro, ninguém iria me ajudar a pagar a escola da Julia, quanto menos minha faculdade que agora é particular”, disse.
Jovem conta desde cedo com o apoio da família
(Foto: Elisa Pimentel/Arquivo Pessoal)
Para o pai de Elisa, José Carlos, de 76 anos, que é aposentado, o sentimento é de orgulho. “A gente sempre cria os filhos falando de valores e nem imagina que eles realmente entenderam. A atitude que minha filha tomou, de assumir uma maternidade aos 20 anos, sendo universitária e desempregada, é motivo de imenso orgulho para mim”, contou José Carlos.
Ela também garante que Elisa tem desempenhado bem a função de mãe. “Minha filha é uma super mãe, o que ela fez por essa criança, desde o início, desde ter tomado a decisão de tê-la, criá-la, educá-la. Abdicou de tudo o que tinha para tomar rumo a essa nova jornada, se entregou totalmente a maternidade e teve de amadurecer de uma forma como nunca imaginei, mesmo sem poder continuar os estudos, nunca deixou de correr atrás, e hoje se tornou uma vitoriosa. Isso me emociona”, disse.
Elisa garante que tenta se esforçar para acompanhar todas as fases de Julia Valentina, e diz que realiza todas as tarefas com prazer. “Quando vejo mães que, assim como eu, desempenham esta tarefa sozinha, mesmo temdo um companheiro, meu coração dói. Os homens nunca exercem de fato a paternidade, e quando um faz isso parece que é motivo de vanglória. Tiro o chapéu para as mães que criam sozinhas, mesmo que não estando sós, seus filhos. E para aquelas que, assim como eu, são mães solteiras”, disse a mãe de primeira viagem.

Primeiro Dia das Mães foi esperado com expectativa (Foto: César Elisa Pimentel/Arquivo Pessoal)
A jovem também conta que cada nova tarefa realizada é um grande aprendizado, mas quando procura dicas pela internet, ainda tem dificuldade. “Quando se trata de internet, os sites tentar nos ditar o que fazer, e como descobrir ou como agir com seu filho. A verdade é que parece que tudo é focado só para mães, só para mulheres e como se fosse uma ditadura. Naturaliza-se o fato de que os pais não devem ter responsabilidades sobres seus filhos, triste”, contou Elisa.
Chá de bebê
Enquanto Elisa esperava a chegada da nova integrante da família também se preocupou com detalhes importantes: o nome e o quarto do bebê! "Não consegui escolher o nome, na verdade ela nasceu e eu não havia determinado um nome, ficou uns dias 15 ainda sem ser registrada, mas o quarto foi apenas adicionado um berço junto ao meu", disse.
Elisa de 8 meses
(Foto: César Augusto/Arquivo Pessoal)
Para celebrar a espera da filha Julia, também decidiu organizar um Chá de Bebê junto com as amigas. “É tudo tão esperado, que não poderia deixar de fazer”, contou. Ninguém da minha família compareceu.
“Foi ótimo ter minhas amigas e amigos ao meu lado”, lembrou Elisa.
Ele nasceu exatamente no dia 17 de agosto"
Elisa Pimentel, mãe
Presente de Deus
Durante a gravidez Elisa contou que fez todos os exames do pré-natal, e o dia do nascimento da Julia foi de grande surpresa. “Ela nasceu no dia 17 de agosto, foi surpresa, esperava para o dia 21”, disse.
Julia Valentina foi morar com Elisa no mesmo dia após o nascimento. Desde então, elas nunca se desgrudaram. “Tenho medo do meu futuro, das consequências de uma maternidade tão recente, mas confesso que cada dia mais sinto que minha filha me tras uma sentido à vida e um enxergar da vida como eu nunca vi, e definitivamente nunca veria”, concluiu Elisa.


GOSTARIA DE DIZER QUE TODA ESSA "REPORTAGEM" É EM RESPOSTA A ESTA REPORTAGEM RIDÍCULA

Nenhum comentário:

Postar um comentário